NOVO PROGRAMA
O ESPLENDOR DO PERÚ, IMPÉRIO DOS INCAS
O Pacífico, os Andes e a Selva Amazónica

Caros Amigos do Jardim Botânico da Ajuda,

Quanto pensamos no Perú, o nosso imaginário leva-nos às ruínas de Machu Picchu, à  grande civilização Inca e aos picos nevados dos Andes, mas esta viagem é muito mais… 

Depois da capital, Lima, uma cidade com cerca de 10 milhões de habitantes fundada em 1535 por Francisco Pizarro e mantida sob influência castelhana durante cerca de 300 anos, chegaremos a Arequipa, a “Cidade Branca” perdida no deserto do Sul do país, avistando o vulcão El Misti e iniciando uma ligeira adaptação à altitude. Daqui viajaremos até Puno, a 4.000 m de altitude - construída em 1668 pelo castelhano Conde de Lemos e em tempos uma das cidades mais ricas da América Latina devido às minas de prata - com o objetivo de navegar pelo Lago Titicaca, considerado o berço da civilização Inca, e conhecer as suas ilhas flutuantes, construídas à base de totora. Gentes únicas, de sorriso fácil, que nos abrem as portas das suas casas para sentirmos a realidade deste lago imenso, partilhado entre o Perú e a Bolívia.

Mas será na região do Vale Sagrado dos Incas que encontraremos a mais bela cidade do país – Cuzco – capital arqueológica e cidade mais antiga do continente americano, que nos convida a passear tranquilamente pelas ruas em volta da Plaza de Armas, e que nos serve de acesso ao Vale Sagrado dos Incas, às curiosas minas de sal de Maras e às inesquecíveis ruínas de Machu Picchu, a cidade perdida dos Incas, construída no séc. XV e declarada Património Mundial pela UNESCO. Antes de regressar à capital, visitaremos ainda a região amazónica do país, junto a Iquitos, para uma estadia totalmente dedicada à natureza e ao conhecimento da fauna e flora da região. A nossa aventura peruana terminará em Lima, a capital nas margens do Pacífico.

Para quem pretender conhecer um pouco mais do país, poderá ainda ficar 2 dias adicionais, explorando livremente a cidade de Lima ou aproveitando para visitar as Ilhas Ballestas e a Península de Paracas, observando a vida selvagem da região e com opção de sobrevoar as misteriosas Linhas de Nazca, desenhos geométricos de animais e pássaros gigantes que datam de 900 a 600 a.C. e só podem ser admirados plenamente no ar.

Qualquer que seja a opção escolhida,  esta será certamente uma viagem inesquecível… Venha connosco!


Visita Cultural delineada e acompanhada por Ana Maria Lory, AAJBA.
Inscrições até 28 de Fevereiro de 2020!

  

PROGRAMA




  
dummy